Criminal - Capítulo 7 (Parte 1)

quinta-feira, janeiro 29, 2015 | | |
 7.


“Um homem armado é um cidadão. Um desarmado é um súdito.” 


- Timothy McVeigh



 NARRADORA

 Leia ouvindo : Chandelier - Sia



Seunome estava exausta, acabara de voltar de um hotel, ou melhor dizendo uma cena de crime onde o marido assassinou a mulher e o amante. Passou rapidamente por todos assim que chegou na delegacia e se dirigiu a sua sala. Parou incrédula  na entrada de sua sala e seu olhar foi direcionado ao homem de costas que permanecia com um retrato antigo de seu irmão Isaac em mãos. Franziu a testa e caminhou até o homem que logo percebeu está sendo observado e se virou. Seunome então pode ver que era Cameron, ele sorriu e Seunome o encarou esperando algum tipo de resposta. Já que Cameron não pronunciou meia palavra, ela o fez. 

- O que está fazendo aqui? -perguntou arrancando o retrato de Isaac das mãos de Cameron. 

- Queria ver se já tinha chegado. -ele respondeu calmamente enquanto caminhava pela sala e se sentava em uma cadeira atrás da mesa de Seunome. - Você se lembra quando fizemos amor pela primeira vez? Foi bem aqui, nessa sala, nessa mesa, nessa cadeira... -deu uma breve pausa ouvindo o suspiro de Seunome. - As paredes são testemunhas da nossa loucura! -ele a fitou enquanto umedecia os lábios. 

- Me lembro também que foi em uma dessas cadeiras que você me traiu com a Anna! -disse Seunome revirando os olhos. 

Cameron se levantou da cadeira e andou até Seunome, a mulher sentiu um leve aperto em sua cintura, e logo depois os longos dedos de Cameron apertavam sua pele enquanto ele beijava seu pescoço e ela tentava afastá-lo de alguma maneira.

- Esquece a Anna, nosso casamento acabou há muito tempo... -ele sussurrou em seu ouvido, inalando o perfume da mulher. - Me arrependo todos os dias por não ter me casado com você, é tão linda e sexy quando seus cabelos estão presos! -concluiu descendo suas mãos para as coxas de Seunome e as apertando. A mulher arregalou os olhos e o empurrou com bastante força. 

- Nunca mais toque em mim novamente, Cameron. Só me procure se for um assunto extremamente profissional caso contrário, eu não me responsabilizo por narizes quebrados. Agora sai daqui antes que eu lhe tira a pontapés! -gritou sentindo suas bochechas ficarem vermelhas de raíva.

- Virou uma freira? Ah, qual é Seunome eu sei que não da uma boa trepada a anos. Só fica trancada naquela casa tentando salvar o mundo e se culpando pela morte do seu irmãozinho. Você nem... -não conseguiu terminar sua fala pois sentiu um tapa forte ser despejado em seu rosto. Rapidamente levou sua mão ao local de grande ardência. Com certeza ali ficaria uma bela marca. 

 - Retire-se da minha sala agora! -ela ordenou e ele semicerrou os olhos e saiu batendo a porta.

Por que Cameron foi lembrar da morte de Isaac? Na verdade, ela nunca havia esquecido, se lembrava daquela fatalidade todo santo dia. Pegou o retrato de seu irmão que se encontrava em cima de uma bancada sem graça. Encarou bem aqueles olhos marrons escuros frágeis e assustados, os primeiros meses depois da morte de Isaac foi decididamente os mais difíceis.

Toda noite Seunome tinha pesadelos. Os olhos do irmão. Ela acordava se debatendo na cama, aos gritos, afogando-se em sua consciência. A última vez que o vira ele ainda não estava totalmente atacado pelo Câncer, seus cabelos claros estavam bastantes ralos, ele estava tão magro que podia se contar suas costelas olhando apenas para sua barriga. Ele estava enrolado em um edredom de cor cinza e se servia de um pouco de chá. Lembra das últimas palavras que saíram da sua boca ''Eu vou ficar bem, morango!'' 

Mesmo com as lágrimas caindo, ela conseguiu sorrir fracamente se lembrando que ele sempre a chamava ela assim. Se lembrou em uma tarde de verão que os dois estavam sozinhos na praia e Isaac acariciava seus cabelos fazendo-a relaxar enquanto as ondas corriam de volta para o mar. Depois de uma discussão de seus pais, ela sempre beijava a testa de seu irmão e sussurrava que amanhã estaria tudo bem e dormia com ele para que tudo acabasse logo, mais sempre acordava no meio da noite ouvindo algo ser quebrado ou a mãe gritando.

Permaneceu ali encarando aquela foto até que seu celular vibrar e perceber que se tratava de uma mensagem de Alexia, sua melhor e única amiga. Seunome e Alexia se conheceram enquanto ainda estavam na faculdade, sempre foram muitos ligadas e para manter esse elo as duas se mudaram para Newton e praticamente moram no mesmo bairro, a não ser pelo fato de Alexia viajar 4 vezes por semana pelo seu trabalho de Artista Plástica.


''Sem explicações, quero você e seu rostinho lindo na balada que eu fui convidada! Mando o endereço depois.''

xoxo, Lexia

Sorriu instantaneamente ao se lembrar do jeito extrovertido da amiga. Esfregou seus olhos e seguiu para fora da delegacia dirigindo-se para seu carro. Ligou o mesmo e logo teve uma resposta positiva, seguiu em paz e tranquilidade para sua casa e não se importou quando sentiu seu celular vibrar mais uma vez. Assim que chegou em sua rua, sentiu um grande alívio e segundos depois já estacionava seu Prius vermelho em sua garagem. 

Enquanto caminhava até sua casa, olhou de canto de olho para a casa de Zayn que permanecia totalmente escura, a não ser pela luz amarelada que vinha de um pequeno quartinho ao lado da casa. Não se importou muito com isso e logo tateou com sua mão pela bolsa a procura de seu celular. Alexia havia acabado de mandar o endereço e ela rapidamente enviou uma mensagem dizendo que estava na delegacia investigando um caso, não queria ir para um lugar barulhento, sua cabeça latejava de dor. Não recebeu resposta alguma depois disto e então percebeu que a casa estava mais limpa do que nunca e então logo se lembrou que Carmen, sua empregada, tinha sem dúvidas alguma passado por lá para dar sua faxina de final de semana.

Andou até a cozinha e bebeu um copo de água em silêncio, apreciando cada gole. Sua barriga já tinha parado de doer e agora ela precisava necessariamente de álcool. Andou até o andar de cima e enquanto fazia o caminho até o banheiro retirava suas roupas e soltava seu cabelo. Praticamente se jogou em baixo do chuveiro e fechou os olhos permanecendo ali por longos minutos, a água quente relaxava seus músculos tensos. Saiu do banho enrolando uma toalha de tonalidade clara em volta de seu corpo e andando em passos calmos para seu quarto. Se vestiu com um moletom que ia até o meio de suas coxas e uma calcinha de cor verde que valorizava suas curvas generosas.

Desceu correndo pelas escadas como uma criança e logo revirou o armário da cozinha a procura de sua garrafa preferida de vinho. Minutos depois o encontrou e sorriu para si mesma, abriu a garrafa e nem ao menos se importou em procurar uma taça, apenas encostou seus lábios no gargalo da garrafa e o bebeu. Ali ela permaneceu, dançando com a música lenta que vinha da sala, seus movimentos eram precisos e calmos.

Enquanto isso, Malik apenas encarava a cabeça de Christine em sua cozinha. Ele podia ouvir o som vindo da casa de Seunome e estava bem curioso para saber o que se passava ali dentro, ela nem ao menos falou com ele hoje. Ele viu perfeitamente quando ela chegou e se serviu de uma xícara de chocolate quente, pode ver também o rosto avermelhado de Cameron, enquanto saia da sala de sua presa. Normalmente ele não faz vitimas todos os dias, e hoje é o dia de ''Não matar mulheres indefesas'', ou seja para Zayn o dia do tédio. Bebeu o último gole de sua bebida e caminhou para porta, fechando-a logo atrás de si.

Malik se aproximava da casa de sua presa e a música lenta lhe penetrava os ouvidos. Ela devia estar dando uma festa, mais quem estaria ali. Não poderia ser Cameron, ele se debatia mentalmente com a ideia de ter Cameron perto de Seunome tocando-a, só ele poderia tocá-la, só ele poderia matá-la. Apenas se aproximou da porta e tocou a irritante campainha e logo foi atendido por uma Seunome bêbada e com as pernas opostas e os cabelos bagunçados.

- Oi, posso te ajudar? -ela disse embolado enquanto piscava os olhos com certa frequência e encara Malik sorrindo.

- Não, eu só... -ele começou mais foi cortado pela mulher que o empurrou para dentro.

- Vem, precisamos beber! -ele assentiu se sentando no sofá da sala. - Eu precisava mesmo de uma companhia, você gosta de vodka?

- Quem não gosta de vodka. -ele assentiu novamente e ela gargalhou.

A mulher sumiu pela cozinha e logo depois voltava com uma garrafa grande de vodka em uma de suas mãos e na outra tentava não derrubar os copos. Serviu a Malik e a si mesma, bebendo um pouco mais que ele, o mesmo percebeu e permaneceu em silêncio enquanto ouvia Please Please Please Let Me Get What I Want  do The Smiths e sorriu. Era a música preferida de Zayn desde que nascera. Malik se levantou e Seunome o encarou com certa curiosidade, ele vestia um casaco de lã escuro e uma calça jeans preta e justa.

Ela permaneceu ali o encarando mesmo quando ele virou de costas, reparando e fazendo um comentário sobre suas nádegas. Corou e desviou o olhar rapidamente quando Zayn olhou na direção de Seunome e sorriu. Então ele começou a se aproximar cada vez mais, a mulher arqueou uma sobrancelha sentindo a vodka fazer efeito. Malik parou na frente da mulher e se agachou lentamente enquanto seus olhos prendiam-se aos de Seunome magnificamente.

- Me concede esta dança?

Ele fez uma reverência e estendeu a mão, a qual Seunome aceitou hesitante. As mãos se tocavam e ela olhou de reflexo o quão enorme sua mão parecia, comparada a dela. Zayn colou os corpos de forma dramática e escandalosa, chamando atenção pela forma como agarrou a cintura de Seunome e começou a se movimentar lentamente conforme a música. Seunome colou sua palma no ombro de Zayn e fechou os olhos, acabou sorrindo assim que ele a rodou e colou os corpos novamente.

A música acabou lentamente e os movimentos foram cessando. A mão de Zayn continuava na cintura da mulher e surpreendentemente ele não soltara até agora. Os dois se entreolharam e a vergonha de Seunome foi escondida atrás do álcool. Malik se aproximou mais um pouco, colando mais ainda os corpos que agora parecia apenas um, flashs passavam pela cabeça da mulher que permanecia imóvel e foi surpreendida com um beijo.



Continua...

Hi! Esse capítulo ficou muito cute, certo? Eu queria fazer uma coisa muito fofinha por que hoje estou Cute. Não paro de ouvir essa música da Sia e essa música dos The Smiths é a minha preferida. Esses dias eu tenho andado muito criativa, até eu ouvir Don't Let Me Go e começar a chorar, sim podem me julgar eu sempre choro ouvindo essa música por que ela é linda, me acham uma idiota por isso mais eu não me importo, eu canto ela do começo ao fim e se deixar continuo a cantar quando ela acaba. Tipo Summer Love e Irresistible, eu também choro ouvindo elas. 

Reação de vocês:


Quer uma capa para sua fanfic? FORMULÁRIO DA TIA LIZ  
Meu tt: @ToledoLizz, Adeus e até mais!

8 comentários:

  1. - Continua , Ta Pft Estou Amandooo Esta Fic , Parabens Vx Tem Um Belo De Um Talento ;)

    Bjinhos :*

    ResponderExcluir
  2. Isso tá perfeito <3333 Eu também choro ouvindo Summer Love, Moments, Don't Let Me Go... Continua, esse beijo foi tipo perfeito não poderia melhorar!!!!

    ResponderExcluir
  3. Tomara que nao tenha mais sangue no meio porque tenho trauma de sangue por coisas do passado!ta perfeito, queria que o zayn ficasse bom ao se apaixonar pela seunome e ver que o amor vale a pena, seria um final feliz!!bjss espero respostas sah diva!!

    ResponderExcluir