domingo, abril 12, 2015 | | |

A Little Innocent - Capítulo 2
Finalmente final de semana... Independente de estar desempregada, o sábado e domingo continuam sendo os melhores dia de todos!  É o dia que você pode sair, curtir a vida, e principalmente, ficar acordada até altas horas... 
– Boa tarde? – a pessoa do outro lado da linha atendeu.
– Boa tarde.  Quem fala?
– Aqui é o Sr. Hanks. 
– Sr. Styles se encontra?
– Ele acabou de sair de sua residência.  Gostaria de deixar algum recado?
– Na verdade, eu descobri que ele estava precisando de uma nova empregada...
– Como ficou sabendo disso?
– Ele é um dos sócios do restaurante Orleans, certo? – Hanks murmurou um baixo “sim”. – Uma amiga trabalha lá, e ela me informou sobre a oferta de emprego...
– Essa sua amiga é confiável?
– Pode ficar tranquilo!  Você pode confiar nela sempre...
– Tudo bem... Quer marcar um dia para vir visitar a casa?
– Adoraria!  O mais rápido possível...
– Nossa!  Você realmente quer esse emprego, não quer?
– Eu preciso.  Quero ajudar um familiar com as contas de casa, e tudo o que precisar...
– Entendo sua forma de pensar! – sorri. – Estará livre amanhã?
– Com certeza!  Amanhã estará bom pra vocês?
– Sim..  A agenda do Sr. Styles estará livre amanhã...  Você tem o endereço?
– Tenho!  No cartão que minha amiga me entregou tem todas as informações necessárias.
– Tudo bem...  Posso saber seu nome? 
– Claro!  Sou Coraline Walkers.  Me chame apenas de Coraline, por favor...
– Como quiser, Coraline...  Nos vemos amanhã!  Tenha um bom sábado!
– Igualmente, Sr. Hanks... – e por fim, desligamos os telefones.
[...]
– Mãe, você tem alguma roupa para uma entrevista de emprego?! – gritei de meu quarto, o observando num caos.  As gavetas do armário abertas, roupas jogadas por todo o quarto, e se depender, uma calcinha perdida no ventilador de teto.
– Coraline, como você marca uma entrevista de emprego, sem ter uma roupa descente?!
– Eu havia me esquecido desse detalhe...
– Ainda bem que tem uma mãe como eu...  Espere um minuto, e já vou te trazer algo apropriado!
Terminei de secar meu corpo, abrindo a porta do banheiro, fazendo com que o vapor da água quente se espalhasse por todo o meu quarto.  Vesti minha lingerie e fui interrompida, quando o barulho de alguém batendo na porta invadiu meus ouvidos.  Minha mãe entrou em meu quarto, entregando uma roupa simples, porém, uma das mais apropriadas para uma entrevista de emprego, ainda mais quando o emprego se tratar de me tornar uma empregada...
– Essa é uma das melhores roupas que posso te dar! – ela me informou. – É do seu tamanho, é elegante, e super descente.
– Muito obrigada, mamãe!  Fico te devendo essa...
– Você já vai estar agradecendo enquanto trabalha...  Você vai mesmo começar a trabalhar, Coraline? – revirei os olhos.
– Já te disse que sim, mamãe...
– Você não precisa disso, querida!  É jovem demais...  Tem uma vida enorme pela frente!  Então, aproveite, curta, namore e viva o melhor da vida, meu amor!
– Mamãe, não adianta falar...  Eu quero esse trabalho!
– Com o que vai trabalhar?  Com moda?
– Eu te conto depois, tudo bem? – ela hesitou. – Preciso me apressar, antes que me atrase para a entrevista!
– Coraline... – me virei para ela. – Se não der certo, promete que não procurará mais algum trabalho por enquanto?
– Como quiser, mamãe...  Eu te prometo! – ela sorriu.
– Vou deixar que termine de se arrumar...
Assim que minha mãe saiu de meu quarto, fechando a porta em seguida, eu vesti a roupa que ela havia me entregado, calçando simples sapatilhas e pegando uma pequena bolsa, guardando as coisas que precisava dentro da mesma.  Me olhei no espelho pela última vez, antes de descer as escadas e sair de casa, indo a caminho da casa do Sr. Styles.
[...]
– Posso ajuda – lá? – o som transmitido pelo interfone do portão de Styles, fez com que eu saísse de meus devaneios, enquanto era encantada pela enorme mansão que estava a minha frente.
– Eu marquei uma entrevista para o cargo de empregada...
– Você é Coraline Walkers?
– Exatamente! – os portões se abriram.
– Pode entrar, Walkers...
– Obrigada! - passei pelos altos portões escuros, dando de cara com um jardim totalmente impecável.  Ali, haviam espécies de plantas que eu nunca tinha ouvido falar na minha vida inteira... 
Continuei a encarar toda aquela paisagem incrível.  Estava tão encantada com o ambiente, que nem percebi que tinha alguém atrás de mim, fazendo com que eu batesse meu corpo no corpo oposto a mim.
– Me desculpe! – antes que me virasse para a pessoa, já comecei a me desculpar pelo ocorrido. – Eu não havia percebido que estava atrás de mim....
– Encantada com a paisagem, certo, Walkers? – corei levemente. – É um prazer poder te ver pessoalmente...  Sou o Sr. Hanks. – nos cumprimentamos. – Se recorda de mim?
– Com certeza!  Mas uma vez, me desculpe pelo ocorrido...
– Não precisa se preocupar...  Mas me conte, ansiosa pela entrevista?
– Confesso que estou bastante nervosa!  Se for aceita, será meu primeiro emprego...
– Você não é experiente?
– Eu limpo muito bem a minha casa...  Mas nunca trabalhei fora!
– Sr. Styles já está em seu escritório...  Queira me acompanhar, por favor? – assenti, ficando ainda mais nervosa.
Hanks foi caminhando, e a cada passo, eu ia o seguindo.  Quando me dei conta, já havíamos entrado na mansão de Styles, passando pela porta da cozinha, pela sala de estar, pela sala de jantar, e agora estávamos em frente a uma outra porta de madeira, que supostamente, seria a do escritório de Styles.
– Espere só um segundo... – assenti.
Ele abriu a porta lentamente, e se opôs a ela, colocando apenas a cabeça para dentro do escritório.  Percebi que ele conversava com alguém, mas apenas ouvi os sussurros de sua voz.  Depois de alguns segundos, Hanks olhou para mim, sorrindo.
– A senhorita já pode entrar...
– Me chame de Coraline, por favor...
– Como quiser, Coraline... – Hanks abriu a porta, e eu passei pela mesma, sorrindo em forma de agradecimento. – Ela já está aqui, senhor... – Hanks avisou.
– Obrigada, Hanks. – sua voz era totalmente rouca.
Assim que entrei no escritório, Hanks fechou a porta, deixando eu e o senhor a sós.  Pude perceber um local elegante, com tons cinzas, uma mesa grandiosa no centro, acompanhada de uma cadeira de couro escuro, que estava virada de forma oposta a mim.  Nas laterais da sala, algumas poltronas, como na frente da mesa central.  Na parte de cima da cadeira, percebi alguns fios de cabelos desarrumados, chegando a conclusão que poderiam ser alguns fios de cabelo do Sr. Styles.
– Sente-se, Walkers... – por algum motivo, sua voz grossa me fez tremer.
– Pode me chamar de Coraline, Sr. Styles... – disse, me sentando em uma das duas poltronas.
– E você, pode me chamar de Harry... – rapidamente, ele virou a cadeira, finalmente, me encarando e fazendo com que reparasse em cada traço seu...
Oh, céus!  Lizzie tinha toda razão no que havia me contado!  Harry era maravilhoso, um jovem impecável...  Seus olhos tinham uma coloração esverdeada, me lembrando duas esmeraldas brilhantes.  Seus lábios eram avermelhados, e quando ele mordeu o lábio inferior, aderiram uma coloração ainda mais forte do que o normal.  Seus fios de cabelo eram escuros, mas com o reflexo do sol transmitido pela grandiosa janela, eles tomaram uma coloração mais clara em suas pontas.
Ele me encarava de uma forma tão intensa, que eu podia sentir cada pêlo do meu corpo se arrepiando, dos pés a cabeça.  Harry apoiou os cotovelos sobre a mesa, e com seu ato, pude perceber alguns anéis dourados e prateados em seus dedos, além de uma tatuagem em seu pulso esquerdo.
– Você veio para uma entrevista, certo? – ele perguntou, tirando – me de meus devaneios.
– Isso!  Acabei descobrindo que precisa de uma empregada...
– Não era urgente, mas sim, eu preciso de uma empregada!  Mas, como ficou sabendo disso?
– Hanks não te contou? – perguntei, gentilmente.
– Se estou lhe perguntando, é porque ele não me contou, correto? – estremeci ao ouvir o tom autoritário e feroz de sua voz.
– Uma amiga trabalha em um de seus restaurantes, e ela me disse que tinha ouvido um boato de que precisava de uma empregada.  Como eu queria um emprego, decidi tentar arrumar esse cargo...
– Está passando fome, Walkers?
– Graças a Deus, não! – arqueei uma de minhas sobrancelhas, surpresa pelo o que ele havia falado. – Só quero ajudar a minha mãe com as contas de casa...
– Filha prestativa...  Daria tudo por uma filha assim!
– Me desculpe lhe perguntar, mas...  Você tem filha? – senti meu rosto corar levemente com cada sílaba que lhe dirigia.
– Eu tenho cara de ser um pai de família? – realmente, não tinha...  Não que Harry parecia um irresponsável, mas seu tom e sua aparência diziam que ele era um garoto muito jovem para ser pai... – Tenho, Walkers?
Harry se inclinou para frente, ficando ainda mais próximo de mim, e me deixando ainda mais nervosa do que o normal...  O modo como ele me intimidava era incrível!  Acabamos de nos conhecer, mas o seu tom de voz, diz o contrário...  É como se nos conhecemos a anos, e ele tivesse algum tipo de controle sobre mim, mesmo sendo apenas uma simples entrevista de emprego.
– Me chame de Coraline, por favor...
– Antes que tenha chances de ser contratada, preciso impor uma coisa; eu a chamo da maneira que quiser! – engoli em seco, assentindo rapidamente. – Mas voltando, Walkers...  Sabe como fazer o trabalho de uma empregada?
– Se eu estou aqui, é porque sei como limpar uma casa... – cochichei, como se fosse óbvio.  O que havia sido um sussurro para mim, parecia ter sido um alto grito para Harry.
– Como foi que disse? – me olhou com desdém.  Meu coração pareceu acelerar a cada batida, ao pensar nas chances dele ter ouvido o que havia falado.
– Nada! – menti, tentando enganar ele, que pareceu não acreditar. – E sim... Eu sei como ser uma boa empregada!  Não sou experiente, mas limpo a minha casa quase todas as semanas, então sei lidar com cada poeira...
– A última pergunta, Walkers... – aquilo já estava me irritando! – Se tivesse que me definir para alguém...  Como me definiria?
– Qual é o objetivo dessa pergunta?
 – Preciso saber como definiria o seu suposto futuro patrão...
Pensei muito no que responder!  Eu poderia definir Harry como o garoto mais bonito que já tinha visto, e isso não seria mentira...  Mas não, era arriscado demais!  Ele poderia achar que estaria me aproveitando de seu dinheiro, e dele...
– Eu te definiria como um jovem encantador. – ele me encarou por um tempo, até que suas palavras finais me surpreenderam...
– Resposta exata!  Está contratada, Coraline...


Um comentário:

  1. Wendy directioner :) dyh;)14 de abril de 2015 20:24

    Capítulo perfect carol!! Contt logo!! Mas que confusão my good ! Ansiosa pelo proximo capítulo posta logo :3 :)
    Até mais

    ResponderExcluir