Criminal - Capítulo 10

sábado, junho 06, 2015 | | |
 10.


Não é a primeira e não será a última.”  

- Assassino do Zodíaco



NARRADORA



 Enquanto se arrumava para seu trabalho, Malik parou em frente ao espelho e prendeu deu cabelo com a ajuda de um elástico transparente e colocou a tiara que usava para prender os fios que ficavam soltos. Ele não gostava de seu cabelo rebelde como normalmente ficava sem aquelas coisas. Decidiu que não faria a barba e que ela estava perfeita do jeito que estava. Olhando para seu reflexo, viu uma coisa liquida em seu queixo, passando o dedo por ali e retirando a coisa até então desconhecida. Era sangue. Depois que limpou seu dedo na toalha e deu uma última verificada no espelho, saiu de casa e encarou a casa de sua vizinha. Certamente ela já havia saído. 
  
 Em passos lentos e firmes, Malik atravessou a estupidamente barulhenta porta da delegacia onde trabalhava. Uma chuva de acenos e sorrisos amigáveis caíram sobre si, enquanto agarrava uma xícara de café preto e amargo. Zayn dirigiu-se à sua mesa, dobrou as mangas de sua camisa social e voltou sua atenção para à televisão a sua esquerda e sorriu.  A repórter de cabelos escuros e voz irritante contava detalhes sobre o desaparecimento da ultima vitima feita por Malik. Aproximou-se do aparelho e ouviu atentamente.

''Hanna Sparks, fora vista pela ultima vez no mais novo Skyfall Club, onde atua como garçonete há 3 semanas. Testemunhas afirmam que Hanna não tinha inimigos e mesmo sendo uma imigrante ilegal, vive em Newton há 2 anos...'' Ótimo! Pensou Zayn, a polícia nunca dava tanta importância a morte de imigrantes e o caso sempre acabava arquivado, enterrado em um fundo de gaveta.

  Virou-se e caminhou de volta à sua cadeira, sentando-se e inclinando-se na mesma. Cumprimentou, Morgan, a mulher que lhe entregou a lista para quem ele deveria ligar hoje e pegou o telefone em mãos e dirigiu seu olhar para a lista. Uma menina, Alison StClair, 19 anos e um incontrolável fascínio pelo o suicídio. Digitou o número gravado ao lado das informações da menina e sorriu ladino ao que ouviu uma voz feminina no quinto toque.

 – Sim?

 – Bom dia, desejo falar com Alison StClair, por favor. – Malik estreitou seus olhos ao que ouviu ruídos estranhos ao fundo.

 – Eu não quero falar, tenha um bom dia. – o semblante de Zayn fora substituído por uma carranca raivosa assim que o mesmo ouviu toques, alertando que a chamada havia sido finalizada.

 Essa pessoa merecia morrer. Merecia ser cortada em pedaços minúsculos e ser servia aos tubarões. O homem voltou a discar o número de Alison e surpreendeu-se ao ser atendido imediatamente. A voz na outra linha bufava e tossia fumaça.

 – Senhorita StClair? Por favor não desligue... – ele implorou e jamais sentiu-se tão ridículo.

 – Você novamente? Deus. O que você quer? – a menina raivosa gritou e Zayn suspirou afastando o telefone minimamente de sua audição. Ele adorava matar meninas como Alison StClair.

  – Apenas conversar. Meu nome é Zayn Malik, e eu sou do serviço policial de apoio a jovens suicidas.

 A menina parecera pensar enquanto sua respiração calma era audível pelo telefone. Zayn ergueu sua sobrancelha e esperou ouvir algo além do som irritante. – Sou Alison. Você é árabe? Zayn não é um nome comum por aqui. – Alison perguntou e Zayn revirou os olhos.

 – Tenho descendência. – respondeu.  – Então Alison, por que deseja morrer?

 – Eu não gosto da minha vida. – ela simplesmente respondeu e Malik novamente revirou suas globes carameladas. Que menina idiota e ingrata.

 – Por que não? Você é jovem, possivelmente tem um namorado, ou namorada... – ele ouviu ela rir e sussurrar que era heterossexual.  – Vamos lá Alison, o que você não gosta em sua vida?

 – Tudo.

 – Você tem algum problema grave de saúde?

 – Não.

– Algum tipo de paralisia?

– Não.

– Sua vida não deve ser tão ruim assim, menina. – ele fingiu rir suavemente ao que ouviu Alison o fazer.

 – Eu daria minha vida à morte se ela se entregasse a mim... – ele ouviu fungados e barulhos de coisas partindo-se.

 – Alison, está tudo bem? – perguntou descansando uma de suas mãos em seu queixo e acariciando sua barba. Pim.Pim.Pim. Isto fora tudo que ele ouvia. 



  ❈❈❈
 
  
– O delegado Jace deseja conversar com a senhorita!

 Seunome levantou seu olhar de seu notebook e encarou a mulher que havia chamado sua atenção. Verônica. Secretaria vadia de Jace. Suspirou e assentiu para a mulher à sua frente. – Informe-o que estou à caminho. 

 Verônica assentiu e retirou-se rapidamente batendo seus saltos altos no chão como duas escavadeiras.  Seunome voltou seu olhar para a tela de seu notebook e bebericou seu café. O site em que a mulher visitara, dizia que Hanna Sparks fora dada como desaparecida, partes do corpo de Hanna, como orelha, língua, dedos... provavelmente foram queimados e encontrados no apartamento da vitima. Um misterioso bilhete fora também encontrado, endereçado à Seunome Wells, detetive e psicóloga forense. ''Essa não é a primeira e você não será a última, detetive.''

 Seunome encarou a tela do aparelho estática. Sua respiração estava acelerada e seus lábios entreabertos. Aquilo era uma mensagem para ela. O assassino a queria. Seus olhos arregalados voaram para o final da sala onde se encontrava e assustou-se ao ver um Zayn Malik sorridente. Um calafrio correu por toda sua espinha ao ver que ele aproximava-se e a mulher desconhecia a origem disto. Fechou seu notebook e guardou seus matérias, tentou ao menos acalmar-se e andou em passos largos até a porta, ignorando Malik por completo.

 Empurrou alguns fios de sua cabeleira ruiva para trás de sua orelha e olhou para todos os lados, preocupada. Mal sabia ela que o assassino estava mais perto de si do que a mesma ousasse imaginar. Com os dedos trêmulos deu leves toques na porta do escritório de Jace e em segundos ouviu a voz grave e firme autorizar sua entrada. Assim, ela o fez sem pestanejar e sentou-se na primeira cadeira que encontrara, ficando assim de frente a seu chefe. O homem de meia idade logo percebera a preocupação e horror que havia nos olhos da mulher.

– O que houve, Wells? – perguntou o mais velho franzindo sua testa, enrugando-a ainda mais.

– Ele. Jace, eu creio que o mesmo assassino de Rebecca Middle e sua filha, seja o mesmo que provavelmente matou Hanna Sparks. Eu sei que ela ainda permanece desaparecida, mais é apenas questão de tempo até concretizarmos em um homicídio. – a mulher passou os dedos ainda trêmulos por seus fios de cabelo e engoliu em seco e continuou lentamente. – E agora, eu serei a próxima...

– Já soube do bilhete? As noticias realmente correm em Newton, não é mesmo? – Jace suspirou e pousou dois de seus dedos em seu queixo livre de pelos, inclinando-se para frente.

– O senhor já soube?

– Sim, Cameron me informou sobre este ocorrido. Mais não é por isso que eu lhe chamei aqui, Seunome.

– Pode dizer, delegado.

– Não sei se sabe, mais o FBI quer este caso e... – ele fora rudemente interrompido pela mulher.

– Como? Não, isso não pode acontecer, delegado. O senhor sabe que o FBI nunca deixaria com que eu trabalhasse da forma como eu trabalho. Sabe que eles levariam o caso a mídia como sempre fazem e isso atrapalharia nas nossas investigações. O assassino poderia fugir ou algo parecido. Isso não pode acontecer.

– Seunome, o FBI tem jurisdição. Eles podem entrar no caso quando lhes derem na telha. – Jace explicou e Seunome bufou cruzando seus braços na altura de seus seios fartos. – Porém, eu tenho contatos e estou tentando evitar que eles venham para o meu caso. Sabe bem que eu odeio aqueles caras.

– Sabe que eles vão nos tirar no caso, certo? Essa é a última coisa que eu quero, delegado. Eu quero ser a pessoa que colocara esse serial killer em uma cadeira elétrica.

– Sei que está focada neste caso, mais, se o FBI vir eu não poderei fazer nada. – Jace novamente tentou explicar. A mulher levantou-se rapidamente e saiu da sala.

Ela nunca deixaria que otários de ternos estragassem sua investigação, não mesmo.

Continua...

Hi! Eu demorei, eu sei e me perdoem por isto. Tentei fazer um capítulo maiorzinho e espero que tenham curtido. Sei que disse que nesse capítulo reaparecia o Aaron, mais não deu. Eu tive que reescrevê-lo e não achei espaço para colocar ele. Para entender melhor a jurisdição do FBI, sugiro que pesquisem no google, okay?  Deixe eu comentário e me faça feliz <3 beijinhos e amo vcs meus amorzinhos!
 
 


13 comentários:

  1. Puxa tava demorando em hahahaha
    Eu amei esse cap e fiquei com medo dessa Alison (sla né)
    Eu sei desse negocio de jurisdição do FBI
    Um grande beijo e tchau!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu sei e me desculpe amorzinho
      medo da Alison? hahahah
      beijinhos

      Excluir
  2. Graças a lorde vc voltou !!!! Nossa eu tava morrendo de saudades,sou apaixonada por criminal e tipo quando eu vi que tinha novo capítulo eu fique :
    - AI MEU DEUS Ñ TÔ ACREDITANDO QUE CRIMINAL VOLTOU!!!!!
    Enfim eu estou amando,e como todos os capítulos esse foi DEMAIS parabéns flor
    (euaindanãoconsigoacreditar!!!!)
    XX:Ana ❤ bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ana ♡♡♡♡
      hahahhaha q amorzinho vc ♡ obg fofa

      Excluir
  3. Queremos Criminal,
    Queremos Criminal,
    Queremos Criminal,
    Ta muito bom!!! Parabéns ��

    ResponderExcluir
  4. Ta otimo mas n demore muito pra postar eu confiro todo dia, o site e as fanfics dele sao minhas favoritas!nunca pare!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. prometo não demorar mas, demi!
      beijinhos ♡

      Excluir
  5. Tô chegando atrasada, mas a cheguei :D Está perfeito! Sei da jurisdição do FBI e espero que eles não peguem o caso, mds. E esse trabalho do Zayn é bem irônico, não? Cuidado Seunome, o assassino está próximo hahaha Continua, Liz amorzinho <33

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. chegou a thami!
      obrigada amorzinho!
      beeeem irônico hahahah
      thami diva ♡

      Excluir
  6. Continua melhor fic q ja li <3

    ResponderExcluir