Imagine com Zayn Malik - My Sweet Kitten (Parte 2)

quarta-feira, agosto 05, 2015 | | |

- Aeeee. Pensei que tinha esquecido de nós - Bia veio até mim e me cumprimentou com um beijo no rosto. Beatriz é uma garota ruiva dos olhos claros, muito extrovertida e descontraída, que nos conhecemos em meio a uma roda de briga de dois garotos na 8° série, depois disso nos tornamos melhores amigas.

- Na verdade eu tinha - admiti, rindo.

- Mas olha que amiga exemplar - disse com um tom de ofendida.

- Foi sem querer - sorri e cumprimentei Niall e Rick.

 Niall é o meu loirinho dos olhos azuis, acho que somos amigos desde o pré, e agora pensando bem, é meu único amigo menino de quem Zayn gosta e conversa. E Rick, ele joga basquete na escola e tem o porte de jogador desse esporte, além da altura. Seu cabelo é castanho escuro, com uma franja que quase chega a tampar os olhos, que são da cor mel.

- Okay, vamos terminar isso rápido. Não aguento mais ver célula na minha frente! - rimos da revoltada de Niall. E ele não estava errado, a Sra Brooks nos dá aula de biologia desde o 2° ano e se dependesse dela nós decoraríamos cada detalhe da parte de citologia. E nesse trabalho nós tínhamos que fazer um cartaz bem elaborado e ilustrado sobre como são feitas as células e o que contém nelas. - Sério. Essa professora só sabe falar disso desde o ano passado.

- Te entendemos, amigo - Rick bateu em suas costas e rimos novamente. Os três começaram a arrumar suas coisas na mesa de centro da sala e eu fui buscar meu material no quarto.

***

 10 minutos se passaram. Parece pouco, não é? Mas não quando se tem que colocar a criatividade em prática. Eu batucava o lápis no livro de biologia olhando os textos; Bia contornava a margem na cartolina; Niall e Rick estavam em uma mini discussão de sussurros de qual desenho era mais fácil de fazer e tinha mais detalhes.

- Vocês querem um suco? - perguntei largando o lápis.

- Eu aceito - Niall disse, ignorando Rick e se virando para mim. Olhei para os outros, que concordaram.

 O barulho de alguém descendo as escadas nos chamou a atenção, Zayn cumprimentou a todos com um simples "oi" básico e foi para a cozinha. Me levantei, indo na mesma direção.


- Oi, gatinho - ele se virou para me olhar, revirou os olhos e se voltou para a geladeira novamente. Ele usava a sua touca favorita, cor de vinho. E cada estava escondida na calça. - Qual é, Zayn. Não precisa ficar assim por causa do Rick - diminui o volume da voz e me aproximei dele.

- Não, imagina - disse irônico.

- Qual o problema com ele? Rick se mudou há poucas semanas para cá.

- E ele já está querendo mais que uma amizade para o meu gosto - disse sério. O fitei sem ter o que falar.

- De onde você tirou isso? - perguntei, finalmente.

- Gatos observam bem as pessoas e percebem rápido suas intenções. Por isso somos tão ariscos com algumas, Seunome Malik - arqueou uma sobrancelha, em provocação.

- E, então... Você vai ficar onde? Já q-que não quer ficar no mesmo cômodo que o Rick - gaguejei, seu olhar me intimidava novamente, um arrepio subiu pela minha espinha.

- Fica calma, vou tentar não arranhar-lo ou rosnar para ele. Liam está vindo com Louis e Harry, vamos ficar jogando vídeo game no meu quarto - me deu um beijo demorado e molhado na testa.

 Zayn é alguns centímetros mais alto do que eu e sempre digo para o mesmo não crescer mais, o que o faz rir. Tonto. Ele pegou o seu leite e saiu da cozinha. Peguei a jarra de suco, copos, depois voltei para pegar uma bolacha para nós comermos. Me sentei no meu lugar, os outros me faziam perguntas de quais cores usar e pediam opinião sobre algo. Eu respondia e ajudava nas coisas. Meu olhar ás vezes se voltava para a escada, desejando que pudesse enxergar o andar de cima, especificamente em um dos quartos.

 Ehh Zayn... Qual o seu efeito sobre mim?

| Narradora |

- O que será que elas devem estar fazendo lá em cima? - Rick olhou para o teto, como se pudesse ver através dele. Os quatro haviam terminado o trabalho, Seunome e Bia subiram para o quarto e os dois ficaram na sala. A Sra Malik tinha dito para eles se sentirem em casa antes de ir para o segundo andar também.

- Coisas de menina. Provavelmente - Niall deu de ombros, indiferente. - Já que não nos chamaram.

- Vamos ir lá ver? - sugeriu. Niall hesitou por um instante, mas concordou. Os dois subiram devagar, no último degrau da escada viram Zayn entrando em seu quarto. - Eu estava me perguntando. Este garoto sempre usa touca até mesmo dentro de casa? - Rick se virou para o amigo.

- Sempre que eu o vejo, sim - Niall encolheu os ombros. - Mas é melhor nem questionar ou falar qualquer coisa que ataque o Zayn, a Seunome é muito protetora com ele - avisou, com um semblante sério.

 Ele se lembra das várias vezes que a melhor amiga defendeu o moreno de alguém ou resmungava sempre que ouvia algum comentário maldoso sobre ele. Não que Zayn não pudesse se defender sozinho, mas ela sempre estava lá para poder cuidar do mesmo. Talvez seja por isso que Zayn é tão manhoso às vezes, Niall pensou, entretido em seus devaneios.

- Sério? Para mim parece que ele pode se defender muito bem sozinho - o garoto loiro revirou os olhos e foi em direção ao quarto de Seunome.

 Zayn se sentou em sua cama, a fazendo o colchão macio balançar. Olhou de relance para a porta, viu Niall e em seguida Rick passarem pelo corredor. Fez uma careta - aquele garoto ainda está aqui? - e voltou sua atenção para o caderno de desenhos em suas mãos. Ele terminava de pintar uma paisagem que havia visto em um filme. Esticou a mão para alcançar a cor azul escuro.

- O que foi, gatinho? - Liam se jogou ao seu lado. Ele era o seu melhor amigo e sabia sobre Zayn ser um híbrido. Era a segunda pessoa com quem mais passava tempo, principalmente quando entraram para o time de futebol na 4ª série. Não teria conseguido guardar o segredo dele por tanto tempo.

- Não gosto daquele Rick, tem uma cara de tapado - sua voz era uma mar de hostilidade. Liam deu uma risada alta.

- Sério? Também não acho que ele deva ser uma pessoa tão legal assim, mas parece que a sua antipatia por ele é bem maior.

- Eu concordo com o Zayn. Esse Rick tem a cara daqueles que gostam de mandar em tudo e se figem de durões, se achando o descolado - Harry disse aprestando atenção no assunto, mas com os olhos vidrados na tela da televisão onde jogava um game de luta contra Louis.

- Pois é - Zayn disse e depois sussurrou para o amigo: - E não me chame de gatinho.

- E por que não? Não é seu apelido? - ele não respondeu. - A Seunome te chama assim.

- Mas é porque, porque... - gaguejou. - Em você soa meio gay.

- Hm... Pode até ser, mas eu entendi o por quê - Liam olhou para o outro com olhar de desafio.

- Toma essa! - Louis gritou, fazendo os dois olharem para eles. Ele deu um k.o em Harry, vencendo o jogo. - Eu sei, eu sou demais - se gabou, batendo no próprio peito. - Quem é o próximo?

- Eu! - Liam pegou o controle da mão de Harry e se sentou ao lado de Louis no chão, e o cacheado se sentou na cama com Zayn.

- Já volto - Zayn saiu para o corredor. - Mãe? - gritou. Ouviu a resposta vinda do quarto de Seunome. Caminhou devagar até lá, parou na porta e encarou todos os cinco ali dentro, que o encararam, - Preciso falar com você - suas íris fixadas na mãe. Carla se levantou da cadeira e parou em sua frente. - É meio que particular.

- Ah, sim. Vamos para meu quarto então - indicou a suíte no final do corredor. Fechou a porta do quarto da filha com cuidado, - O rabo está incomodando? - questionou o vendo mexer na calça, enquanto ele fechava a porta.

- Não. Só formigando um pouco - o tirou de dentro da calça e puxou a touca, revelando seu par de orelhas de gato, que saltaram para cima.

- Então, o que te preocupa? - se sentou na cama batendo ao seu lado, indicando para ele se sentar ali.

- Você acha que eu gosto muito da Seunome? - perguntou receoso.

- Claro que sim. Desde o dia em que se conheceram.

- Sim, quero dizer, não. Não desta forma - ele fitou os olhos castanhos da mulher.

 Meninos de sua idade podem não ter o hábito de conversar sobre sentimentos com suas mães, mas Carla sempre incentivava Zayn a se abrir com ela e tirar qualquer dúvida sobre qualquer assunto. E o fato de ter instintos de gatos, o deixa mais sensível e manhoso para as coisas.

- Entendi. E como você acha que gosta da Seunome? - o deitou em seu colo e começou a afagar seus cabelos e orelhas híbridas.

- Sabe quando eu disse que gostava da Perrie e a pedi em namoro? - ela assentiu. - Gosto dela mais que da Perrie. Quando a Seunome me consolou quando terminamos nem pareceu que eu estava tão triste ao seu lado, ficava até mais feliz por voltar a passar mais tempo com ela de novo.

- Acho que você já sabe a resposta.

- Acho que sim - deu um suspiro longo. - Mas é meio estranho admitir - riu pelo nariz.

- Por quê? - ela olhou para Zayn, curiosa.

- Crescemos sendo criados como irmãos. O que o pai vai pensar disso? - se sentou rapidamente e a fitou. - E a Seunome?

- Não se preocupe, ele irá aceitar como te aceitou quando criança. E com a Seunome, eu tento descobrir algo.

- Isso é estranho também. A mãe ajudar seus filhos a se pegarem - ele recebeu um olhar de repreensão de Carla, e depois riram.

- Eu te amo, meu pequeno gatinho - o abraçou e beijou o topo de sua cabeça.

- Eu te amo também, mãe.

 Zayn a apertou, ela e Seunome eram as únicas que deixava o chamar de "gatinho", logo ele começou a ronronar no colo da mulher, que lhe fazia carinho.

***
 Eram 2:00 e pouco da madrugada. Carla desceu lentamente as escadas, balançou a cabeça negativamente ao ver a mesa de centro com potes com milhos de pipoca não estourados, embalagem de barra de chocolate, copos e uma garrafa de refrigerante.

 Zayn e Seunome às vezes tinham o costume de passar a noite e a madrugada assistindo filmes, ela havia os alertado que na manha seguinte haveria aula, mas cá estão eles. Os dois estavam deitados com os olhos fechados no sofá maior; a garota, que estava com a cabeça encostada no braço do sofá, fazia carinho levemente com os dedos no cabelo do mais novo, que tinha a cabeça deitada no tórax da mesma.

 A mulher desligou a TV, o DVD, e foi para a cozinha, bebeu sua água. Decidiu acordar os filhos para irem para a cama, mas os observou por um momento da passagem entre os dois cômodos. Era uma cena muito fofa e admirável. Seunome ia parando com os movimentos conforme ia perdendo a consciência, até que parou. O garoto levantou a cabeça em desaprovação, assim que viu que ela tinha dormido, lhe beijou a bochecha e se aconchegou novamente em seu corpo macio e quente.

 Carla já havia notado que entre os dois filhos tinham algo a mais do que irmãos, era só reparar no modo que agem um em relação ao outro, os carinhos, as brigas que mais pareciam com as de casais... Bom, eles não são do mesmo sangue, então ela não via problema em deixar algo acontecer, e realmente era meio estranho pensar em seus dois filhos juntos. Mas só dependia dos dois. E não ligava para o que as pessoas achariam, contanto que ambos estivessem felizes.

No dia seguinte...

 Seunome pegou seu livro de geografia no armário, o guardou na mochila junto com o resto do material para o próximo tempo de aula. Jogou a alça sobre os ombros e ajeitou a mecha de cabelo atrás da orelha, que havia ficado fora do rabo de cavalo. Levantou o olhar, viu a pessoa que mais queria ver, andando distraído pelo corredor.

- Zayn! - o chamou. O mesmo se virou sorrindo e caminhou até a garota, desviando de um grupo de alunos. - Queria te perguntar uma coisa que... Não deu para contar a caminho da escola.

- Pode falar - o moreno sorriu largamente.

- É... - hesitou. - A mãe veio com algumas perguntar estranhas com você antes de virmos?

- Não, por quê?

- Por nada. Deixa para lá - fechou o armário e se virou caminhando em direção à sua sala.

- Me conta, vai. O que ela te perguntou? - Zayn a pegou pelo braço. A colocou contra a parede fria entre duas fileiras de armários, mas mantinha uma distância razoável. Seunome olhou por cima de seu ombro, não tinha ninguém que estivesse olhando para eles. Deu um longo suspiro.

- Ela me perguntou de qual maneira eu gostava de você. Como irmão ou... - a frase foi morrendo. Zayn riu mentalmente com a sutileza e a ação direta de Carla.

- Ou...? - a incentivou a continuar e desceu seu olhar para a boca dela. Ela prensou os lábios, num movimento de tensão, espalhando o gloss que os deixava um pouco rosa. Zayn gostava, tinha cheiro de framboesa.

- De modo diferente - disse meio nervosa com a aproximação do mais novo. O sinal bateu, um garoto passou correndo, esbarrando - de propósito ou não - e derrubando Zayn no chão.

- Oh, garoto! Não enxerga por onde anda? - Seunome gritou o olhando sumir na esquina do corredor, balançou a cabeça. Estendeu a mão e ajudou Zayn a se levantar. - Depois a gente se fala.

- Depois a gente se vê - beijou a bochecha dela e saiu rapidamente pelo corredor.

Ela sorriu, não foi um beijo na testa de "eu cuido de você", foi um beijo de mais carinho.

***

- Seunome, vamos dar uma volta antes de irmos para casa? - Zayn correu para alcançar a garota. O fluxo de alunos agora era maior, todos ansioso para poderem acabar o dia na escola e irem embora.

- Onde? - perguntou curiosa. Deu um sorriso para Niall que retribuiu e se despediu com um "até amanhã", antes de sumir por entre os outros alunos.

- Por ai, pode ser na praça, na avenida, sei lá. Só vou pegar o meu caderno e guardar os livros - e assim como Niall, desapareceu no meio das outras pessoas.

 Seunome franziu as sobrancelhas, girou nos calcanhares e seguiu até seu armário. Deixou só os livros que tinha que fazer lição de casa na mochila, jogou a mesma sobre os ombros e foi para a entrada da escola esperar Zayn. Logo ele chegou correndo e ofegante.

- Vamos? - indagou. Ela assentiu.

 Como de costume eles iriam para pegar um ônibus até perto de casa, mas dessa vez pegaram um para o centro da cidade. Eles entraram em uma lanchonete, se sentaram em uma mesa e pediram um refrigerante cada. Os dois começaram uma conversa bem descontraída, rendendo risos.

- Hey, olha quem está ali - Zayn indicou com a cabeça. Seunome olhou para trás, a loira com algumas mechas rosas nas pontas dos cabelos pagava algo no caixa. Se virou para o lado e sorriu ao ver o garoto.

- Oi, Perrie, como está? - disse quando a garota se aproximou.

- Muito bem e você? Oi, Seunome - olhou para a morena.

- Olá - sorriu de canto.

- Eu estou bem, e como está a nova escola? - Zayn perguntou curioso e animado.

- Ótima também. Estou estudando de tarde agora, e como minha mãe teve que sair, tive que vir buscar um lanchinho - balançou o saco que havia na mão e Zayn percebeu que ela tinha uma bolsa pendurada em um dos ombros.

- Ainda não sabe como preparar a carne? - riu.

- Já aprendi. Mas sempre esqueço do arroz e acabo queimando, então desisti por um tempo - os dois começaram a riu. Seunome apenas os observava, com o pensamente ditante. - Bom, tenho que ir. Até mais. Tchau, Seunome.

- Tchau - ela respondeu.

 Antes de ir Perrie fez um carinho na cabeça de Zayn por cima da touca, ela sabe que ele gosta disto, e também sobre seu "segredo", já que namoraram por alguns meses e ela uma hora descobriu. Seunome não era de ciúmes e não tinha nada contra Perrie, mas ver alguém fazer carinho onde Zayn mais gostava, lhe dava algumas pontadas.

- Seunome.

- Aãn? - Só agora havia notado que encarava a porta por onde a loira saíra e virou rapidamente para ele.

- Queria que você... Só queria saber... - ele se aproximou mais de seu rosto. - Porque estava encarando a porta? Sentiu ciúmes? Eu pressenti algo - disse baixo, seu hálito chegava no nariz dela.

- Acho que esses seus "poderes" de gato estão subindo à sua cabeça - bufou, sarcástica.

- Não. Só queria provocar mesmo - e antes que ela pudesse protestar, ele selou seu lábios em um selinho demorado.

- Zayn - disse estática quando ele se afastou e esperava ansioso pela reação dela.

 Seunome se levantou, pegou a mochila pendurada na cadeira e saiu da lanchonete. Menos por essa reação, pensou ele. Bufou em frustração, pegou sua mochila e também saiu do local.

 Carla estava sentada no sofá, o marido tinha acabado de ligar do serviço como de costume. Bebia um gole de seu refrigerante quando Seunome chegou primeiro, colocou sua mochila do lado do sofá, lhe deu um beijo rápido no rosto e seguiu para a cozinha.

 Ficou confusa, depois Zayn entrou subindo direto para o segundo andar. Olhou para a filha na porta da cozinha. Seunome deu um longo suspiro e contornou a borda do copo com água até a metade, com a ponta do dedo.

- O que houve?

- Nem eu mesma sei - fez mistério.

- Mas o quê...? - resmungou para si mesma, se interrompendo quando Seunome subiu para cima sem dizer mais nada.

 Sem a touca, com as orelhas em pé, Zayn ouviu o barulho da porta ao lado sendo fechada. Tirou a blusa de frio de malha fina, a jogando na cama. Passou a mão no cabelo, pensativo e longos suspiros escapando de seus pulmões. Desceu diretamente para a cozinha. Em cima do fogão tinha uma panela com macarrão. Colocou um pouco para si e puxou uma cadeira.

- Vocês querem me dizer o que está acontecendo? E o por que dessas caras de enterro? - a mulher entrou, gesticulando com as mãos, de um jeito impaciente. Se sentou na caideira ao lado dele.

- Eu beijei a Seunome. Mas preferia que ela tivesse me batido dentro da lanchonete, do que ter saído me deixando lá - revirou os olhos e encarou o macarrão que enrolava no garfo.

- Beijou? - Carla arregalou os olhos.

- Foi um selinho, na verdade. Acho que foi a ansiedade, não aguentei ter chegado tão perto - agora seu semblante era triste.

- Eu entendo, calma - afagou seus ombros. - Mas é. Devia ter ido mais devagar.

- Ela vai me odiar - encostou a testa na mesa, com pesar.

| Seunome |

 Fiquei sem reação com o selinho de Zayn. Eu sei que sinto algo por ele, mas não sei se é certo por causa da nossa "condição de irmãos". Peguei um porta retrato nosso de cima da mesa do computador, de quando tínhamos 14 anos. Foi na tarde em que nossos tios trouxeram as gêmeas Lívia e Lílian de 5 anos. Elas entraram no quarto de Zayn sem bater, brincando e o viram sem touca e com o rabo a mostra.

 Lílian ficou um pouco assustada, mas depois admirada por ele ser um gatinho. Ela é um verdadeiro amor, um anjo. Já a outra... Lívia queria esfregar as orelhas dele enquanto cantava com uma voz irritante "atirei o pau no gato". Lembro de ter que, praticamente, a puxar para largar o rabo dele, além de fazer um escândalo querendo brincar com o gatinho. Coitado do Zayn, acho que ele ficou com trauma depois disso, aquela menina é o demônio em forma de criança.

 Suspirei com a lembrança e sorri. Também foi um dia engraçado, com Zayn fugindo do nosso pai e tio de o jogarem na piscina.

 Uma semana depois...

- Pai? - estranhei ao vê-lo entrar em casa tão cedo. Ele estava esparramado no sofá maior, lendo alguma coluna do jornal local. Terminei de descer os último três degraus da escada.

- Oi, filha - sorriu deixando o jornal na mesa de centro. - Onde estão sua mãe e Zayn?

- Foram comprar algumas coisas para o jantar de amanhã.

- E você não quis ir? - neguei com a cabeça, fazendo um bico. - Venha aqui. Sente-se - me sentei no sofá ao seu lado, ele me abraçou. - O que foi? O que acontece com essa carinha?

- É o Zayn. Sei que existe algo entre nós, agora percebi mais ainda por causa que meio que nos afastamos um pouco nessa semana. E sinto a falta do meu contato com ele, mas não da proteção de irmã que tenho com ele, sabe? - meu pai deu um longo suspiro.

- Ah, sim. Sua mãe já veio conversar comigo - pigarreou, se ajeitando.

- Sério? - me surpreendi.

- Sim, e também acho meio estranho pelo fato de vocês terem sido criados como irmãos, ela disse que eu estava sendo meio duro e que às vezes eu e você somos muito parecidos por causa do gênio forte.

- E ela e Zayn também são parecidos nesse sentido. Quero dizer, de serem mais "da paz" - rimos. - Talvez devíamos ir para a Itália. Não é lá que eles costumam ter relacionamentos entre a família? - sugeri com um olhar distante e meio sonhador, posso admitir.

- Vocês nem são de sangue, no máximo irão reclamar só por terem o mesmo sobrenome. E é claro que não vou deixar vocês saírem de perto de mim. Não ainda - sorriu.

- Então quer dizer que você não irá se incomodar?

- Se é o que vocês quererem. Não sou eu que vou impedir - levantou os braços.

- Obrigada - nos abraçamos. O apertei bem forte. - Adoro nossas conversas.

- Eu também - beijou minha testa.

***

 Olhei no relógio do criado mudo. 01:15. Ainda bem que já é sábado. Olhei para a porta por cima da coberta, parecia que não havia nenhum movimento no corredor. Calcei meus chinelos, andei com cuidado até o quarto ao lado, entrei e fechei a porta com cuidado.

- O você está fazendo? - me sobressaltei e me voltei para a cama. Ri com a cara e os olhos semi abertos de Zayn, de sono.

- Te acordei? - perguntei, sussurrando.

- Estava quase dormindo, mas de qualquer maneira você ira me acordar, não é? - voltou a se afundar no colchoado.

- Talvez não. Sei como é precioso seu tão pesado sono - me aproximei com cautela. Puxei o cobertor de sua cabeça, agora ele me encorava com seus olhos amendoados brilhando no escuro. Poderia parecer estranho para as outras pessoas se vissem isso, mas é uma das 1001 coisas que amo em Zayn.

- Mas já que estou acordado, vai querer ir assistir algum filme? - adivinhou, sem muito ânimo.

- Sim, e antes... Queria te falar uma coisa - me sentei na cama e ele também. - Me desculpe pela semana passada. Realmente fiquei sem reação, e até um pouco impressionada, admito - bufei, vi pela sua expressão e orelhas em pé que ele aprestava bem a atenção em cada palavra que eu dizia e seu rabo balançava suavemente. Era tão fofo e adorável, como pode uma pessoa ser assim? - Não quero que fiquemos mal, em um clima chato.

- Me desculpe também por ser apressado demais. Mas não me arrependo - acrescentou rapidamente, bati em seu ombro, ele sorriu atrevido. - Teria te beijado mesmo lá, mas não sei, só optei pelo pouco - deu de ombros de um modo envergonhado.

- Você sempre me surpreende com seu jeito atrevido, direto e ao mesmo tempo tão fofo que tenho vontade de espremer - apertei suas bochechas.

- Não faça isso - me afastou. - Eu fiquei chateado, pensei seriamente que você estava me odiando, que iria me tratar com indiferença.

- Nunca vai acontecer - ele me fitou por alguns instantes e se aproximou, me deitou na cama prendendo minhas mãos ao lado da minha cabeça, ficando em cima de mim a uma distância segura.

- Posso?

- E é agora que você vem pedir permissão? - ri irônica. - Não seja bobo, gatinho.

 Ele deu um sorriso com a língua entre os dentes. Oooopa, não faça isso; outra 1001 coisas que amo nele. Zayn se aproximou, me beijando. Fechei os olhos apreciando a sensação de seus lábios, ele passou a língua pelos meus, aprofundávamos cade vez mais o beijo. Era algo ótimo, intenso, e o calor daquela coberta já estava me incomodando, eu já estava quente o bastante. Me sentei, o abraçando ainda nos beijando, trazendo-o para mais perto, sentindo seu aperto, seu cheiro. A semana que se passou, a tensão desconfortável sobre nós se distinguia a cada segundo. Até que nos afastamos.

- Agora vai reclamar se eu pedir para descermos? - perguntei,

- Não foi uma reclamação - ele negou, fazendo uma careta. - E só vou se for filme de comédia.


- Okay, gatinho manhoso - ele riu, peguei em sua mão e o puxei até o andar de baixo.

 Fizemos a pipoca, pegamos o refrigerante, copos, e mais duas bolachas e balas, colocamos tudo na mesa de centro. Zayn escolheu "Meu passado me condena" para assistirmos. Nos sentamos no sofá, encostei a cabeça em seu ombro, depois o olhei. Era incrível como Zayn era bonito, ainda mais com a barba começando a crescer, e suas orelhas atentas o deixava mais meigo e encantador de ver.

 Se as pessoas não julgassem tanto, eu falaria para ele não sair mais de touca, mas não quero ninguém o chamando de aberração ou achando que é alguém com que se deva brincar sem sentimentos. Não. Isso eu nunca permitiria e nem vou permitir.

 Zayn olhou para mim com um sorriso, nos cobriu com a manta e me abraçou. Dessa vez eu que tomei a iniciativa o beijando, mordi seu lábio inferior e ele me apertou mais forte. Fiz carinho em sua nuca, adoro o ouvir ronronar quando faço carinho, e me aconcheguei mais no gatinho. No meu gatinho.



Lumos

Hellooooouis girls!
Segunda parte do imagina *o* Terá uma parte parte bônus <33
O que acharam do Louis pai e o fandom do Zayn se chamar Zquad? Kkkkkk' Não se pode dormir nesse fandom. Bom, fico feliz por eles, saúde para o filho do Boo e sou Zquad, e vocês? Haha'
Bjão xx

Nox

4 comentários:

  1. Perfeito coooonnnnnttttiiiinnnnuuuuaaaaaa

    ResponderExcluir
  2. Perfeito <3
    O que você acha de fazer uma fanfic assim? <3
    huehue
    Continua please
    Xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Na verdade, eu já pensei e tenho um prólogo escrito, é com o Niall, porém acho que para continuar preciso pensar melhor no enredo e história. Mas quem sabe mais para frente, não teremos outro gatinho por aqui? ;)
      Kisses xx

      Excluir